segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Nada




Ver no Espectro
As linhas do Circunspecto
Do esbatido incerto
A alumiação que se quer perto
E que sombras apenas
Se pintam negras no acerto
Da alma tingida
De desejo reprimida
Da luminar desavinda
Ser feita de Partes
Espargidas ao Resgate
Sem nome
Sem flama de Estandarte!
Ser nada
Em recortes Sonegada
Erroneamente Pensada
Concepção Falhada
Da Vida Rasurada!

Sarah Moustafa



Sem comentários:

Enviar um comentário