quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Gémea



Reflexos Esbatidos
Abraçam o Corpo Caído
Queda na noite ao Luar embevecido
Junção da Obscuridade que Arromba
O Rombo em fantasma que Assombra
O espectro Revivido
Sombra Morta
Ao que da Vida Comporta
Irmã á vida criada
Gémea de Realidade
Acima Projectada
Um ódio e um abraço
Fermento de um Regaço
Sangue e Ossos
Um corpo Só
Unido na Quebra Sem Desenlaço
Emaranho de Cordas num frágil Nó
...

Sarah Moustafa

2 comentários:

  1. Belíssima fusão, Sarah.

    Alma gêmea seria um reencontro? Me pergunto.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Um fantastico jogo com palavras garimpadas que se fundem na criação de imagens e tradução de sentimentos, que os bons e grandes escritores exloram tão bem.Aplausoso Sarah.
    Bom voltar aqui e sentir esta beleza de poetar.
    Um abração carinhoso amiga,volto mais depois.
    Bjo.

    ResponderEliminar