terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Diário dos Arruinados IV




Um ser emotivo deixou de poder exercer as suas plenas funções!
Agora o transbordo de emoção, ser de véus delicados vestida, é ser lunática?
Ser supra sensorialmente sensível, é ser amuada?
Não entendem que a Lua é minha gémea, e que um elo assim não se desfaz, modifica ou refaz?
Qual é o problema desta gente, como conseguem impor-se á impermeabilidade de um rochedo?
De facto, não pertenço a este mundo, escolheram exactamente o pior sítio da infinidade do universo onde me colocar.
Fui parte de um todo cometa belo e desvanecido na atmosfera e aqui fiquei… 
Sofro com o pesar desde mundo triste, a dor que me rodeia inunda me num sufoco que não se concretiza mas que me desfaz.
Que injustiça é esta de estar presa num corpo que não faz jus a alma?
Talvez a injusta seja eu, talvez seja eu que tenha de aprender a desidentificar-me das minhas próprias emoções em prol de uma estabilidade emocional que não me arrase em prantos, em vítima de mim mesma.
Ontem pisei as areias de uma praia e olhei para o céu, no seu todo espectáculo nocturno, e senti algo mudar.
Algo quase imperceptível, mas que os meus sensores sempre activos captaram.
Estou aqui para aprender.
Não me abandonaram aqui, colocaram-me com um propósito! 
Como posso ter sido tão ingrata? Que melhor fortuna esta senão a de navegar por todas as dimensões em busca de aperfeiçoamento do ser? 
É isso sou uma navegante do infinito! 
Ainda não sei bem o devo de fazer, ou como… mas o cosmos, sim o cosmos trará as respostas! 
Se me abrir a ele, ele será todo meu! 

Imensuravelmente meu.

Sarah Moustafa

2 comentários:

  1. Sim, creio... Somos todos navegantes do infinito e aqui estamos para aprender, evoluir...
    belo texto!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Sim, também acho que te colocaram aqui com um propósito. Porque alguém que escreve assim, trás-nos algo de bom, neste mundo que se habituou a não pensar!

    ResponderEliminar