quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

A Casa




Estar acompanhada pelas sombras desde que te lembras de existires, é bom, muito bom, e passarei a explicar porquê.
Não porque obviamente seja de todo uma sensação agradável , não porque seja aprazível mas nunca intentes a pensar que é de outra forma desprezível.
Desprezível serás tu ao pensares dessa forma, negando o material que te foi dado.
O material com que construirás a tua casa.
A tua casa será tão diferente e única, como ninguém jamais saberá, ousará, fabricar. Pelo motivo de que a tua nunca será um produto de venda imobiliária, um fabrico, mas uma edificação.
Uma Prazerosa Edificação.
Será muito mais custosa do que a dos outros, demorará talvez o dobro, o triplo do tempo, de suor e lágrimas, tijolo a tijolo serás Tu e apenas TU, que os disporás na forma que te engrandecer.
E depois haverá as alturas em que tal disposição te parecerá cansativa, torpe, cederás a tentação de a deixar em projecto inacabado, sustido debilmente por uma fundação Tosca.
Não faz mal, vem o cataclismo e Limpa o que está de errado.
Recomeças do Zero, zangando te com o mundo e com a tua triste sina, mas depois do investimento não terás outra opção senão a de voltar a por as mãos na massa!
Passado talvez um tempo, o que precisar de ser, darás por ti a deleitar o trabalho que estoicamente fazes, mas naquele infindo segundo já não te parecerá tão horrendamente laborioso. Começas a imaginar toda a casa pronta para te receber, imaginarás as suas cores, o seu recheio e claro...o Jardim.
No jardim te perderás em tempo de dedicação, mas não será uma perda, será um fenomenal ganho!
Ser arquitecta/o, construtora, decoradora e ainda jardineira num corpo só fará aquele riso, aquele de que já nem te lembras, ecoar numa gargalhada interna que te unificará num certo orgulho.
Sim orgulho aquele que já não tinhas, aquele que vem mesmo do Ego, o que cria, o que te identifica, o que é mal compreendido, o que te faz ser quem és na sombra do que dizes não seres.
Pintas a casa com as cores da alma, a alma triste que assiste, que personifica, mas que repara nem essa desiste!
Fazes a tua Casa , o que todos os outros que desejavas Ser, já nasceram com...O que achas melhor receberes o que te é dado...ou fazeres o que te é negado?

Sarah Moustafa

1 comentário:

  1. Textos sempre tão instigantes. Merecem sempre releituras, pois fascinam-me as reflexões que remetem...
    Eu amo... Gosto de te ler, tem um estilo bem direto, porém subjetivo, parecido com o meu.
    Um grande abraço, menina!!!

    ResponderEliminar