terça-feira, 23 de maio de 2017

Décor .




Imagino como será esse esconderijo
onde me trancaste,  tão fundo em ti
onde me guardas segura
no baú dos teus tenebrosos
segredos.

Tenho esta curiosidade mórbida,

pois se tenho que passar uma eternidade,
nessa misteriosa moradia

Deixa-me escolher o papel de parede ,
E a cama onde entras voraz
Todas as noites
E decorar-te ,
Todo,
por dentro
com a estridência
e o encanto das palavras
De que és Pai.


Sabes que eu tenho bom gosto.







Sarah Moustafa 

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Urania .


Não sou 
astróloga,
nem taróloga.
nem escritora ,
nem blogger ,

só porque sei
percorrer 
os olhos sobre um mapa ,
ou porque 
eu, as cartas e os guias
conversamos,
ou porque expresso
a minha imaginação
em folhas de papel ,
e as publico
num blog,
como um diário 
colectivo .

sou um corpo,
uma alma,
em remoinho
interessada ,
sabedora ,
de tudo
e logo a seguir
e já não sei nada ,
desligada do
que me prende
a um rótulo,
a um perfil
a uma imagem ,

não quero a responsabilidade de me considerar
NADA.

Sou amante de um bom copo de vinho,
e a procura de uma cabana
decorada de amor.
Bem plantada numas raízes,
que preciso firmar.

Sou afortunada,
não quero ser bem sucedida,
aos olhos da aparência
vazia do sucesso.
Não me rejo por leis
e condutas e planos ,
objectivos a longo prazo .
E vêem me bater a porta,
Com novas oportunidades,
ideias , projectos ,
doações, conselhos
ajuda-me nisto,
faz aquilo ,
Vais ganhar mais dinheiro .
E permaneço sempre 
pasmada ,
porquê?
Não quero nada disto.

Por isso mesmo .

Só crescemos no sentido do que nos torna absolutamente desconfortáveis,

Talvez tenha 1 coisa outra a fazer ,
ou partilhar ,
e não me apetece 
sobre como seres profissional
sem te venderes ou moldares
como permaneceres 1 todo
sem escolheres lados,
a não ser todos
aqueles teus
que alguém , algum dia disse

que não podiam ser  .


Só não me chamem de nada ,

por favor.

Aborrece-me .




Sarah Moustafa

sábado, 20 de maio de 2017

1 num milhão .






Eu sei,
que tu não és o mundo inteiro.
Existe tanto mais por descobrir.
Não és tudo ou nada,
Sou um pouco exagerada...
Existe melhor,
quem me mereça mais,
E veja em mim ,
o mundo que vejo em ti.
Cada dia sinto essa
promessa de amor aproximar -se.
e como explicar ...
que tal me deixa de rastos.
Porque não é ...
Nunca poderá ser ,
o caos inteiro
de um universo tão bonito,
como demolidor ,
que me deixaste na mão
antes de ires embora 
Sem me dizeres para onde ias,
Vai ser qualquer outra coisa,
talvez um mar calmo,
Um bonito passeio de fim-de-semana,
Água limpa de uma fonte 
de que posso beber sem medo ,
e sobretudo a prova 
de um sonho que vai morrer.
A resignação á imagem
do amor "saudável ",
porque não consegui contestar
provar, 
Que a paixão rebelde e teimosa,
também vence. 
que só porque dançamos em sombras
Somos também divina luz,
na forma de dois corpos
feitos um para outro,
a mesma medida,
o mesmo tamanho.
Eu sei,
que pouco importa,
os amores são sempre diferentes,
Cada um especial
á sua maneira...

Aceno que sim,

Não sabem mesmo do que estão a falar.









Sarah Moustafa

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Hipnose.


Fizeste me sentir tão desejada
que ironia
O teu olhar tão expressivo ,
como o de uma criança deliciada ,
com a oportunidade de se perder,
no parque de diversões , 
aventura da sua vida.
Um sorriso tão amplo,
Entrava nele, embriaguei-me na sua alegria
e tornei -o palco onde dançava,
Tímida, Como se fosses
o primeiro Homem a quem me revelei
e foste
Despida ou Vestida,
Esses teus olhos hipnotizados,
pregados a uma visão qualquer
que nunca alcancei.

Dizem que não me mudavas ,

 nem um centímetro.





Sarah Moustafa

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Arritmias #41




Eu sei que também,
menti.
Não fui a menina mais bonita.
E disse coisas muitas feias.
Sei que não fui nada um interesse
da tua crise de meia idade. 
Mas como te explicar que me fazes perder as estribeiras,
onde só quero tratar-te com a mais honorável delicadeza,
e a mais apaixonada vontade de dar cabo de ti.

Desculpa.




Como bebes isso tão quente?




És o sabor das minhas manhãs, 
desnorteadas , carrancudas,
imersas no fundo da chávena ,
procurando pela cura de todos os males,
café preto , absolutamente amargo,  estômago vazio .
e o primeiro gole ainda a ferver ,preenche-me a boca,
reanima vida, no lugar mais improvável.
Do buraco negro levito estrela da morte
Trazem o conforto de uma esperança 
estúpida e vital á minha sobrevivência. 
Sinto-me Deusa,
Campeã
Amazona
Sinto-te ali ,
Dependente nas minhas mãos
Presa apanhada na rede de pesca
A minha língua ,
E decido o que fazer contigo,
1 segundo de êxtase,
explode e ...
Tenho de volta o poder
que me roubaste.
As tuas manhãs são minhas .

E é só o primeiro gole , 
imagina o que acontece quando bebo tudo até ao fim .









Sarah Moustafa

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sol, Estrela ou Lua... é tudo Céu.




Se tiver que voar
sem ti
voo.
Não quero,
mesmo.
mas farei o melhor
que por mim e ti
posso fazer,
Viver.
E estarás em cada membrana
dessas asas,
que tantas dores
de parto me trazem
como de felicidade.
Porque sei que de mim
és,
levas,
e devolves
apenas,
amor.
mesmo quando,
me magoas.
quando me deixas
me empurras
e rejeitas.
Amo.
E se nada mais me traz,
que tal me eleve ,
á dimensão mais alta
mais brilhante
mais bonita
a que eu consiga chegar .
E eu consigo chegar
a qualquer lado
porque sou tanto Estrela,
como Sol ou Lua
Planeta, Galáxia...
essência pura.
E tu também !

Vem comigo .



Sarah Moustafa



Arritmias #40



Como explicar a poesia
que ficou nua ,
estendida nos lençóis vincados
e as nossas almas desfeitas,
imersas em brasas
um mundo novo, intenso
todo ali...
Apenas  ,
 na cama suja de nós.




Sarah Moustafa

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Dói - Dói .



Escolheram-nos a dedo.
Nenhum sabe de si ,
Mas fingimos
bem,
que sim.

Mando as cartas ao ar,
faço as malas.
Estou farta desta ...

Seguras o teu castelo á força,
e gritas não abram os portões.
Preferes esperar que passe,
Porque tem de passar.

E dizem,
Dói aos dois.
Dói aos dois.

Permitam-me ter as minhas dúvidas.

São tudo o que levo,
Uma mão cheia de ti,
Água que te escapa,
Ar que não me agarra .

Merecíamos um final,
bem melhor que este.







Sarah Moustafa 







domingo, 14 de maio de 2017

Arritmias #39




Deixas-me doente.
Tão doente ,
a doença,
que
vil penetrou
por cada poro
do meu corpo
onde os teus lábios
envenenados se encostaram.

e não foram poucos .










Sarah Moustafa 

sábado, 13 de maio de 2017

A alma não dá lucro .




Vendeste a alma ao diabo.
entendo.
tudo tem um preço,
e sabes paga-lo  bem melhor que eu.
Troca justa,
eu por outra moeda 
com mais promessa.
Ambição a mais
ou a menos,
é letal.
E nem tudo o que reluz,
é ouro.
E porquê contentarmos-nos com uns trocos ?

Sou apenas um cristal.
pequeno e translucido.

Rentável apenas no mundo dos loucos.

Espero que tenha valido a pena.

Espero mesmo .

A troca e o retorno .






Sarah Moustafa

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Arritmias #38





Sei que de nada vale chorar sobre leite derramado.

blá, blá, blá .

Mas se pudéssemos trocar o tempo ,

e voltar ao inicio ,
ainda que com o mesmo fim ,

não desperdiçaríamos
1 único segundo ,

e todo o tempo do mundo,
não faria diferença.

Já o teríamos conquistado .

se apenas pudéssemos ...







Sarah Moustafa 

Arritmias #37




Sou incómoda,
porque não mudo de tópico.
Porque não largo o osso .
Somos só o que eu escrevo.

Espero que tu , em especial , estejas bem saturado .

Cada poema um estorvo.

...
Não fazem ideia como isso me excita .






Sarah Moustafa 

Fases da Lua #8




Talvez faça perguntas a mais e nunca me respondas .
Talvez nem tu saibas o que foi , o que é , o que será ...
Mas a tua voz é silêncio dos meus olhos fechados , 
segredos no meu coração e a sombra que tenta puxar-me com a sua misteriosa mão ,
E talvez ... Talvez respondas quando encontrar o sítio onde tu te escondes matreiro .
Talvez , talvez , talvez .... 
Sejamos só contrastes , sempre separados & unidos nas duas faces da mesma moeda .

O sonho .






quinta-feira, 11 de maio de 2017

Durante 1 minuto ou 2 ...




Procuras me em tudo o que te rodeia,
um sinal...
uma prova de mim,
e sobretudo de ti mesmo .
Pelo menos,
enquanto o cigarro
se fuma,
e o silêncio se instala,
e não tens mais razões
ou capacidade,
para me esconder.
Como um sonho
que não soubeste como tornar real,
uma miragem no deserto,
uma bússola avariada,
um mundo ao contrário,
um sacrifício
que não sabias ser possível ,
acontecer .
Abrir mão de um ideal
na forma de um corpo,
ali ,
tão perto,
a tua mão quase o alcança ,
mas o cigarro chega ao fim,
e é melhor deixar-me ir .
uma voz chama-te a realidade,
e a distracção
nada disto importa
já se perdeu.
Apagas as luzes
e eu desapareço
mais uma vez
deitada
no teu sofá cor de laranja .

Ainda que continue lá ,
como o sinal que pediste,
a mercê da tua indiferença.






Sarah Moustafa

quarta-feira, 10 de maio de 2017

terça-feira, 9 de maio de 2017

As minhas horas, o teu tempo .




A pior parte de te entregar o relógio,
e deixar- nos nas tuas mãos
enquanto as horas se dissipam,
é saber que vais continuar parado
a olhar para as mesmas,
enquanto se esvaem sangue ,
e o nosso sangue é tinta com que escrevo,
e o que escrevo o ar com que ainda respiras,
A pior parte será ver-nos
aos dois irremediavelmente ,
cair num ponto sem retorno,
e não poder mais alimentar-te
palavra a palavra,
e saciar-me por te as dar .
A impotência de não conseguir
despertar-te,
e respeitar o espaço que escolheste
felicidade.
enquanto a vida inteira cai aos meus pés.
Sabendo como vamos acabar mal.

E outra hora passa ,

E ele não vem.

O teu tempo bastardo,
foge de mim.



segunda-feira, 8 de maio de 2017

Memento .




Sou uma pessoa demasiado física,
gosto ,preciso, exijo,
ter comigo objectos ligados á minha história.
Não tenho nada teu,
Parece uma piada de mau gosto,
Algo quer mesmo testar-me
que ceda, que deixes de ser real .
Só tenho uma foto acidental ,
tirada em mais um dia
que ficou perdido ,
na tradução,
em que me ligaste
e perguntaste se queria ser tua.
E eu disse baixinho que sim,
e tu não me ouviste

Porque é que não me ouviste? 







Sarah Moustafa




Fases da Lua #7




Antes de partir, deixarei uma carta de amor na tua caixa de correio .
Tem um encantamento , podes não a conseguir segurar em mãos , 
mas as palavras serão reveladas, 
na forma como os teus olhos se decorarem de brilho
e como de súbito toda a expressão do teu rosto mudará . 
E num breve segundo andarás á roda e só existirá o mundo nosso , 
um palco iluminado por uma vela cuja chama é inextinguível . 
Por um segundo, tudo e todos que te rodeiam, deixarão de existir e sentir-te-ás preenchido pelo meu nome que também será sempre teu . 
Deixámos um legado , este caleidoscópio vibrante e variado, no qual dançámos até nos esgotarmos por completo . 
Só para das cinzas renascer corajosa fênix , e no seu choro mágico e colorido , mostrar te como estarei sempre por todo o lado , enquanto segurares a carta , não estarei em mais lado nenhum senão em cada fibra do teu ser . 
Não faltarei a nenhuma , são o mapa da minha viagem






Sarah Moustafa 

domingo, 7 de maio de 2017

Barba Rija .




Dizem que água mole em pedra dura
tanto bate até que ...
Acho que não se aplica,
quando mais me derreto ,
mais tu endureces.
como uma insuportável
erecção que
não assenta bem, em lado nenhum .
rebelde, rebelde, rebelde
A tua pele tem mais resistência  ,
que a minha
tirano, sentado num trono
de armadura impenetrável .
Eu vivo na rua ,
não tenho pedigree ,
não sou  loira,
nem linda,
nem divertida ,
E mostro-me sempre
com a nudez
que segrega raiva,
e te deixa a salivar ,
recorda-te daquele parte
tua,
que queres trancar,
mas sou eu que tenho a chave.
e se a queres ,
vais ter de arrancar á força .

A liberdade tem de ser merecida.

E o teu tempo está acabar .





Sarah Moustafa

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Arritmias #35





Dizem que despertei a Besta ,
que agora não posso ir.
que agora tenho de a amar.
Não entendo..
não está em parte nenhuma .
está no sono mais profundo,
pálpebras cerradas, inverno longínquo
desperto apenas nos escombros
dos meus pesadelos.

não sei no que acreditar.

Já.
Não
sei .




Ressaca.



Estou de ressaca,
e procurei pelo teu beijo ,
procurei pela tua voz,
pela tua mensagem.
E encontrei apenas,
o abismo dos teus lamentos .
Seduzi os olhos 
de um pobre coitado,
e vi o reflexo do que me deixaste,
nada.
silêncio.
desistência.
hipocrisia.
E deixei que ele se encostasse a mim, 
Deixei que ele me trouxesse,
o sabor glorioso, 
da tua momentânea falta de importância .
E deixei que me comprasse
a consciência, rodopiando na revolta ,
De querer a minha liberdade .
Não preciso de me encontrar,
nem fugir , 
A luz da manhã
clarificou-me,
passos cambaleantes ,
o baque de cair na cama ,
Inconsequentes alturas
como um suicídio, 
Traduziu tudo .

Arruinaste-me .

Tornaste-me igual a ti.








Sarah Moustafa

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Arritmias #34




O teu batimento cardiaco,
irregular, maníaco. 
ficou comigo . 
pulsa na totalidade meu corpo  ,
e eu não sei o que quer ,
cada centímetro de pele  ,
um novo espasmo ,
e eu não sei o que fazer.
com a primitiva fonte ,
tanta vida,
 abro-me por inteiro.

outravez.  outravez. outravez .




Sarah Moustafa

Ficção .




Gostava de ser como tu.
Sossegar num mundo de mentira ,
fechar os olhos ao que não quero ver,
correr para longe,
evitar cada passo do percurso ,
contentar-me.
Pelo meio , agarrar-me com todas as forças,
ao plano fictício que engendrei
e de que eu própria te acusaria,
para não desculpar-me perante ti.
Uma viagem imaginária,
Uma despedida que nunca aconteceu,
Uma traição escondida ,
E uma escolha que , por tua causa , eu fiz.
Ser sempre, sempre a vitima.
Gostava de ser assim tão forte,
e viver sem arrependimentos
ou humildade perante as pessoas que magoei.
Gostava de olhar me ao espelho e
dormir serena , sem a companhia de vozes
exigindo consciência maior,
Gostava de ser como tu,
tenho ciúmes ,
de como consegues segurar
a máscara ,
e fazer braço de ferro,
com um coração
tão cansado.
Nem uma brecha,
uma trégua,
onde a luz possa incidir ,
e possa sentir,
que sim me queres bem .
E fui eu que te deixei,
fui eu.
a serio, fui.
e segui " em frente"
para poder "viver " .


p.s- O mais incrível, eu teria desculpado tudo.
Fosse, qual fosse,
a  verdade.
Suponho, que esse fosse o problema.
é melhor ceder,
ao mais básico comportamento humano .
e nem tentar...



.

Sarah Moustafa




quarta-feira, 3 de maio de 2017

Regojiza-te.



Mata-me , um pouco mais.
enrola esta réstia de esperança ,
nos teus dedos atrevidos .
rebenta com ela.
já é tão frágil e improvável.
Estrela , que olhas com desdém.
torna-me mais medíocre,
A última bolacha do pacote,
Corrige-me.
Olha para o fundo do copo ,
Sou tão feia.
Comemora,
faz a festa da tua vida,
quando o ponteiro
marcar a hora derradeira.
Mata-me, dispara a bala certeira.
que esta seja venenosa
letal o suficiente,
para que a sedução
de um maquiavélico
escorpião
não trepe,
não morda ,
não volte ,
não te encontre,

e se revele ,

obscuro amor .

Fá-lo ,

 agora.








Sarah Moustafa




terça-feira, 2 de maio de 2017

Despertador.


São os dias que me declaro ,
que me aproximam de pernas bambas ,
do que isto de ser feliz pode ser .
O peito abre-se, a tensão sobe.

E por algumas horas.

Sinto-me livre .
A melhor parte ,
Sentir o sabor amargo
de velhas experiências,
do nada ,
transbordarem mel,
viscoso e saboroso,
por todo um desmaiado corpo,
e fazer amor com o passado,
por uma mera flor na campa,
e lembrar,
escrever, 
dançar ,

é tudo ouro.

e eu vou doa-lo , por todo o lado.

sem vergonha, nenhuma.

declaro-me em alto e bom som.

Reescrevo a história da Bela adormecida,
se o beijo não chega,
ela acorda com o impeto de uma chapada,
ou alfinetada,

desde que sangre, e doa, ela sabe que ainda tem 
tudo, tudo
pela frente.

Está viva.

.A paixão continua a fervilhar.





Sarah Moustafa

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Arritmias #33



A paciência, 
( e o meu umbigo deformado)
despenha-se
Directa para o voicemail

Continua tudo igual.
Não mudou nada.
os números devem estar todos trocados,
eu a descobrir-me senil ,
e
a tua audição cada vez pior,

atende, atende, atende.

parvo.





Sarah Moustafa