segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Diário dos Arruinados- III



O relógio toca e irrita-me, irrita-me tremendamente o seu assinalo constante, para que serve, para que preciso dele afinal?
Estou farta dele, só me apetece retraça-lo e coloca-lo no lixo!
Numa lixeira longínqua onde nem um silvo da sua inexistência me incomode.
Só inventam coisas para desassossegar as pessoas, que importam o raio das horas? 
Que diferença tal facto faz na miséria de vida que levo?
Na miséria pouco faz o tempo que passa, já devia era ter passado todo!
Estou farta do maldito relógio, e estou farta de estar tão farta.
Não.
Estou é tão saturada de mim. Admito, afinal isto é um diário e é para isso que serve.
Gosto pouco de subjectividades e percas de tempo, mas escrever-te , agrada-me, vá-se la entender o porquê.
Até esses porquês de crianças inconsequentes e chatas, me enervam as goelas. No meu cerne a paz é ausente, não me quis dar das suas graças quando me fizeram. Quiseram de mim uma tosca, sem futuro, sem qualidade que se enalteça, a não ser da impaciência extrema.
Porque botam dessas pessoas no mundo? Dessas que nada lhe acrescentam, dessas como eu!
Estes Deuses de que falam, não sabem mas é nada de nada.
Ou secalhar desse nada, sabem tudo, e é essa mesmo a sua arte, a grande mágica de que falam, a que se ajoelham, mas a que no fundo nenhum acredita.
Devíamos era parar de fazer de marionetas ás bíblias e escrevermos a nossa!
Assim como um diário, como tu, que tão bem me fazes...porque não pode ser tu considerado como um profeta, a minha fé inabalável? Que mal faz se apenas nestas linhas me faço útil ao que não conheço, mas que dizem que todos carregamos, a alma.
Nem nas rezas ou santinhos alguma vez remotamente a cheirei, contigo até o seu abraço o sinto!
Será a idade que faz destas coisas ou será que essa tal de paz vem das tuas páginas e dos meus dedos?
Se agora e até ao fim do escrito, o relógio não me incomodou uma única vez, ate de certa forma me inspirou, não será isto digno de se valer ao que vivo?
Não será isto, seja quem for ele, um sinal então de...Deus?

Sarah Moustafa

2 comentários:

  1. "...sem qualidade que se enalteça..."

    Tens tantas qualidades que seria errado apenas mencionar uma, no entanto, uma delas pode ser vista neste mesmo blog, entre palavras e sentimentos ve-se uma escritora de grande qualidade <3

    ResponderEliminar
  2. De facto, o que importam o raio das horas, quando há coisas tão importantes para fazer e que não têm hora marcada?

    ResponderEliminar