quinta-feira, 4 de abril de 2013

Tenho-te




Tenho-te em todos os caminhos que faço.
Tenho-te porque não sei sequer o que representa a verdade de uma ausência.
Tenho-te porque um desencarne não nos desenlaça no cetim de uma fusão eterna.
Tenho-te nos olhos que todos vêem sem saberem para quem olham.
Tenho-te no coração que amam sem saberem que é a ti que estão amar.
Carrego-te ,sem peso, na vida e na morte, nos seus jogos de azar e sorte.
Tenho sempre, o que nem sempre tenho.
Mas tenho-te a ti e assim tendo-te. procuro incansavelmente o sentido em mim.
E encontrando-te lá os outros também poderão encontrar-me, e quem sabe verdadeiramente, amar-me.
Porque de ti guardo o segredo, na confidencia a meia luz, iluminando só o alcance que produz.
Porque de ti me faço, me desdobro em personagens que a todos e ninguém seduz.
Porque de ti reconheço o fim de um começo na utopia minha que desconheço, porque ter a ti sempre em mim não é mascara de um adereço mas a necessidade de uma presença a que desobedeço.
Tenho-te em todos os caminhos que faço e farei sempre com outros no encalço.
Tenho-te porque a verdade de uma ausência, a tua, é a minha demência.
Tenho-te mesmo sabendo que esse ter me mente, mas não me importa uma verdade onde não estejas para sempre...

Sarah Moustafa

2 comentários:

  1. Que bom saber à quem estamos nos doando!Muito lindo Sarah!

    Bjs

    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderEliminar