sexta-feira, 26 de abril de 2013

Primitivo



Ardia
O fogo sagrado
Entre labaredas
Crepitado
A força 
Índole ao desventurado
A bestialidade 
Homem seu Mal Amado
Queimava-lhe o Fogo
Respirava em Chamas
O seu Fôlego
Cerrava A Alma
Dormia No escaldo
Repouso da sua Calma
Entre o Impulso
Erguia o Grito Feroz
A lágrima contida
A sua Dor Atroz
O Brado 
Aberrante
O Sangue do Espírito
Jorrante
Entorno de Incêndio
Morte á Vida 
Tolerante
Natura ao Imperativo
Retorno ao Berço
Soberano Primitivo!

Sarah Moustafa

3 comentários:

  1. Mas que força, Sarah!
    Gosto da energia que colocaste nos teus versos!
    Fico o fogo a arder em mim...

    => Crazy 40 Blog
    => MeNiNoSeMJuIz®
    => Pense fora da caixa

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, Sarah. Intensidade na sua poesia. Quanta força que depositou em forma de alma poética.
    Ficou lindo!

    Venho te fazer um convite, que espero que aceite!
    Estou participando do PRIMEIRO CONCURSO DE POESIA DO BLOG "BICHO DO MATO" com o poema "DAMA MALDITA!"
    Para votar, clique no círculo ao lado do nome do poema à direita do blog. Para comentar, clique no link do mesmo.
    Agradeço a sua votação e comentário!
    Beijos na alma!

    http://blogdobichodomato.blogspot.com.br/2013/04/dama-maldita.html

    ResponderEliminar