sábado, 17 de novembro de 2012

Saudosismo





O saudosismo mói, importuna a alma, na comoção do sentimentalismo, abatido pela miragem do tempo ido, pelas pessoas que caminharam nesse mesmo tempo e que também elas , para o infortúnio da sensibilidade profunda, se foram, idas nos dissabores dos caminhos que se cruzam e descruzam com a maleabilidade da configuração.
O saudosismo abate-se, uns dias mais do que outros, com a pungência de um trovão que ribomba eléctrico no coração.
A corrente da descarga dos ficheiros corrompidos, deambulantes, algures pela imensidão do vazio que as abarca, que abarca a lembrança vívida, garrida nas tonalidades, no odor pairante ,nas formas proteladas, guardadas com primor nas latas de conserva, justificadas e  rotuladas pelo zelo autentico da emoção.
Na agonia das lágrimas derramadas ou no regalo da euforia diletante, exuberante, tudo se preserva, com o velado, esmerado cuidado, da necessidade de açambarcar o monopólio das vivências mantidas.
O saudosismo mói, aflige no desalento do desconforto da efectividade dos factos presentes, adoece na fragilidade da verdade presente mas demonstra também, o brio da sensibilidade requisitada, da força requerida no sustento do ser em sofrer e renascer nas partículas do alvorecer.

Sarah Moustafa

10 comentários:

  1. Sarah fala do saudosismo com tristeza,mas há aquela saudade terna, que nos faz sorrir e que não dói.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ana," Na agonia das lágrimas derramadas ou no regalo da euforia diletante, exuberante, tudo se preserva, com o velado, esmerado cuidado, da necessidade de açambarcar o monopólio das vivências mantidas." o saudosismo abarca tudo o bem e o mal, as boas ou más recordações mas com um a certeza conotação de esperança "sofrer e renascer nas partículas do alvorecer."!

      Bjs

      Eliminar
  2. Admiro da luz de esperança que deixas para a última linha de texto.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Mói quando nos deixamos subjugar por ele. Recordar em si é bom, mas é igualmente saudável deixar o tempo fazer o seu trabalho. E com o tempo tudo se relativiza. Para o bem e para o mal, e para a nossa sanidade mental.

    Como diz uma canção da Mafalda Veiga, "guardemos só o que é bom de guardar".
    Apesar de alguma melancolia, o seu texto está belamente escrito. Parabéns e obrigada por este momento.
    Um beijo e um doce fim-de-semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  4. Penso que és muito nova para tamanha reflexão e bagagem, mas quem sou eu para saber, não é? Magnífico! Muito sensível...
    Beijo e um lindo domingo.

    Não sabia que eras portuguesa...Que bom!

    ResponderEliminar
  5. Há uma sensibilidade na tua prosa, uma pureza no pensamento, que não podem deixar indiferente.
    Como sempre, adoro tanto a escrita como a emoção que transmites.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  6. Sarah
    Perefeita sua reflexão e texto:

    O saudosismo mói, aflige e desconforta,
    adoece, fragiliza a verdade presente, dos
    momentos felizes que não voltam mais, ou
    da dor pelo sofrimento passado.
    Requer força para renascer o ser saudosista.
    Parabéns amiga!!!
    besOSMen@

    ResponderEliminar
  7. Muito profundo e inquietante teu saudosismo, assim como são as recordações do que vivenciamos, mas, como disseste no final... "renascer nas partículas do entardecer." Muito bonito. Obg por sua visita no meu blog e por me seguir. Um abraço!

    ResponderEliminar
  8. Dizem que águas passadas não movem moinho. Mas aqui você nos dá uma mostra de que o passado mói profundamente. Saber apagar as marcas na lousa da memória exige mais do que simplesmente passar uma esponja. Exige um aceitar os fatos e pessoas do passado, perdoar 70 x 7 e ter novos objetivos à frente...
    Mas se há saudade, valeu a pena!
    Abraços!

    ResponderEliminar