quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Esculpida





Odisseia da esbelta garbosidade disposta na longilínea linha da airosa vontade, da forma que impacta no impressionismo da contemporização, no hedonismo incendiado, na ascensão repleta de fagulhas em agitação, febris na assoberba imagem embutida na idealização da concepção arreigada nas vielas da elevação, proliferadas no trabalho que germina cristalino do coração.
Odisseia da escultura concebida da súpera, máxima, examinação, reflectida na observação da ecléctica representação, trabalhada no afinco, talhado nas mãos, do dom divino da mutação, transformando,  esculpindo as lascas em emoção.
Pedra entalhada na maravilha desvelada, ao compasso da feição cinzelada , entre a memoria e a imaginação,  da feminil adoração, perpétuamente, gravada nos raios do louvor, pelo esplendor da imortalização.

Sarah Moustafa

8 comentários:

  1. Ode aos traços deificados do Ser Feminino.
    Belíssimo

    ResponderEliminar
  2. ...a odisseia de esculpir o sentir através das palavras...

    ResponderEliminar
    Respostas


    1. E sentir esse esculpir é maravilhoso! Obrigado =)

      Eliminar
  3. Odisseia grandiosamente talhada pelas mãos divinas que divinamente transformam em palavras, poesias e imortalidade! abraços

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá , Obrigado pelas belas riquíssimas palavras!

      Eliminar
  4. Minha querida

    Um texto esculpidos com as mãos da alma.LINDO e profundo.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá! Muito Obrigado pelas palavras cheias de carinho!

      Beijinhos

      Eliminar