segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Sinto Tanto...




Sinto tanto..
E por freio neste pranto
É tarefa do impossível
Pois sem a tragédia do encanto
O corpo repudiaria o sensível
E perder essa armadura acetinada
Trabalhada ao detalhe refinada
Deixaria a carente alma transtornada
Abalada nos recantos do seu próprio forte
Encontraria vazia e inerte a certa morte
Querendo da fonte beber
 E naquele veneno deixar-se perecer
Ao ultimo suspiro deliciada
Pela certeza fragilizada
Que  daquela forma, estando a morrer
Estaria antes demais a rejuvenescer!

Sarah Moustafa


1 comentário:

  1. É este morrer que rejuvenesce é que é fantástico! Bjus amiga linda!

    ResponderEliminar