segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Eclipse




Chorei por horas, chorei até elas deixarem de existir.
Chorei até ficar sem saber se chorava
Derramei centenas de sonhos imaginados
De beijos que não foram dados
De corpos que não foram tocados
Chorei até esquecer que tenho corpo
Até sentir alma próxima de um nado morto
Continuei até os olhos se tornarem fechados
Como o nome de uma vida ao teu lado
Entornei me pelo chão ajoelhado
Infiltrei-me pelo sol
Que me prometeu brilhar
Quis mata-lo por me fazer acreditar
Chorei ainda mais antes de parar
Não consegui fazê-lo
Deixar de o amar
Deixar de ao longe querer da minha janela
O... Olhar.


Pára de me Iludir.
Pára de Fugir.


Sarah Moustafa 



1 comentário:

  1. Uma poesia, emocionante e forte onde as lágrimas descem para aliviar o coração e trazer toda a esperança que nunca deve faltar. .
    Beijos.
    Élys.

    ResponderEliminar