sexta-feira, 15 de março de 2013

Qualquer Coisa




Havia qualquer Coisa
A carne que se Perdia
As loucuras a que se Acometia
Em Consequências que bem Sabia
Não importado
Querendo a tentação
 De mais um Dia
Havia qualquer Coisa
Uma magia de Quimera
Sustida em Contos 
De uma Longinqua Era
Aventura de Espada e Fera
Havia Qualquer Coisa
Um fragmento de Coração
Uma Desfeita de Alma
Um vortex de Sina 
Em Turbilhão
Havia o ardor
De Corpo Quente
Química e Louvor
Mas tambem e Sempre
Havia a Dor
De Punhal e Sóror
De uma Vida e Destino
Sempre ausente 
Do Verdadeiro Amor!

Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário