sexta-feira, 8 de março de 2013

Nós e o Mundo, O Mundo em Nós




A percepção da realidade interior é tão ou mais significativa da realidade exterior, porque é através do mundo uterino que alimentos todas as funções básicas existentes.

Rejeitamos?

Amamos?

Odiamos?

Desconfiamos?

Atraímos…

Sintomas de mundos caóticos, incompreendidos, mal resolvidos da psique humana, bem humana, com que nos cruzamos diariamente, sem nos apercebermos da vastidão de história contada aos olhos de quem apenas as lê e relê, sente e revive como suas.

No fascínio que nos transporta, comporta e eleva a fasquias facilmente desvalorizadas mas notavelmente espalhadas nos circuitos das relações humanas.

A viagem da divisão humana em linhas projectadas entre o bem e o mal, o certo e o errado, o julgamento e sacramento diminuindo o propósito das circunstâncias maiores em pedaços, retalhos de vida incompletas, vazias, que nessa mesma desfragmentação ainda redescobrem o poder do acreditar.

Acreditar no quê?

Acreditar unicamente no poder que nos coroa á individualidade magnânima como alquimia divina, o reconhecimento das capacidades em prol das enfermidades.

Acreditar no auto-conhecimento como ferramenta de cura na jornada que nos sucede.



Sarah Moustafa

1 comentário:

  1. Passando para te deixar um beijo neste dia especial. E aproveitei para ler este teu texto reflexivo e profundo. Bjus linda!
    => Gritos da alma
    => Meus contos
    => Só quadras

    ResponderEliminar