quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Imaginarium





A irrealidade serpenteia a razão exigindo a desenvoltura dos pólos não exercitados.
Fantasia, imagem do fantástico,  alivio pleno da realidade tangível,  escape terrorificamente encantado, curvo me perante as delicias que me são reveladas no murmúrio da noite onde o fascínio assola, pulsa pelas historias do bizarro, da infinidade do imaginário.
Que mundo é este? 
Sedução envolvente no sobrenatural faiscante, onde os pés nervosos caminham o chão dos horrores santificados.
Passo a passo a adulação é a máxima, transcendente no limbo da loucura insane das imagens absorvidas pelos olhos arregalados.
Terror nos cânticos prolíficos, o corpo eleva-se  no tremor e no deslumbre, que desabrocha nas noites onde o divinal e o maquiavélico me visitam, me atormentam e saciam com as imagens da incredulidade credível.
Passo a passo a paixão pelo oculto inflama a mente sedenta por mais fecundidade, onde a criação magistral se desenvolve na fonte dos enigmas, na intuição sensibilizada á vastidão de formas e esconderijos.
Nos recônditos espaços, obscuros e velados pela primazia do sublime, do quimérico prestigiador.
Passo a passo entre medos e impulsos exploradores, piso os galhos da floresta mística,  oiço o uivar das criaturas da noite, vislumbro o carrilho das velas bruxuleantes e sustenho a respiração ofegante.
Que mundo é este?
Na incógnita penumbra permaneço, e apesar do peso do pânico nos ossos, avanço em busca da essência deste mundo incrível, aterrador e inesperadamente apaziguador.
Que mundo é este?

Sarah Moustafa




2 comentários:

  1. O mundo é o que fazemos dele, Sarah. São as nossas ações, os nossos medos, os nossos sonhos que o preenchem.
    Bela prosa!

    ResponderEliminar

  2. Exacto Dulce, mas neste texto tentei abordar o espírito da época numa vertente da fantasia, quando questiono que mundo é este, é o mundo do imaginário!
    Obrigado Dulce

    Bjs

    ResponderEliminar