sábado, 5 de novembro de 2016

Um núcleo de fogo, Uma máscara de gelo






O Inverno continua a querer permanecer no caminho.
A gigante montanha de gelo e o teu perpétuo estado de hibernação.
Sempre acreditei que as labaredas , onde a paixão arde continuamente , fossem mais fortes!
E que o Monte Evereste, também derrete !
Mas apenas eu adiciono achas á fogueira e este fogo não só de mim é feito.
Estão a cair flocos de neve e ela enfraquece.
Tento aquecer as minhas mãos a pele ainda queima , denuncia que está adoecer, e para me preparar , noites cerradas são decoradas ao tributo de tantas mortes.
Quebro de joelhos e choro.
Pensei que a força de um homem só ditasse a sua sorte !
O cansaço solitário do nosso mútuo abandono reserva neste espaço melancólico uma vã esperança, companheira da nossa miséria .
Tem mesmo que ser eterna ?

Estás ai , estou aqui.

Dita-me o que fazer com a pequena chama , está a morrer .
Deixo-a simplesmente desistir ?
Sou péssima com decisões .

Sempre foste a voz profeta.


Não está certo, não deixes o teu lugar.





Sarah Moustafa 

Sem comentários:

Enviar um comentário