sábado, 19 de novembro de 2016

É tão frágil, porque é que não se parte ?




Entreguei-te a Deus e tu atiraste- me ao mar
Não há mais nada a fazer 
Porque é que continuam milagres , com o nosso nome , do céu a chover  ?
Como permanecem neste imenso oceano os nossos vestígios , sem parte alguma naufragar ?
Por favor, leva isto tudo, faz com que tudo desapareça.
Tens uma mão cheia de problemas e para todos encontras uma saída, uma oportunidade, a solução!
Menos este , menos este, menos este.
Não é justo ( meu bem a vida nunca é )
Nem forças acima ou abaixo nos resolvem .
Porque não existe nada mais forte e inflexível que nós.
É absolutamente terrível.
Tu esfaqueaste-me, mais vezes , do que consigo contar e eu abandonei-te , deixei-te a mercê, sem quaisquer mantimentos com que pudesses sobreviver.
Não voltei atrás e tu nunca me pediste para ficar.
Então... não podemos contar com o tempo, a lei da vida e da morte, ou o apoio da mãe natureza.
Quão mais resistente isto consegue ser?

Como é que matamos isto ?

Mergulha , estou algures cá em baixo.



Ajuda-me e eu abraço-te.




Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário