terça-feira, 3 de setembro de 2013

Cala-te.






Preciso parar de visitar-te
Na ausência que me captura
E eleva em picos constantes de tortura
Preciso parar de ouvir-te
No silêncio da voz que não cala
Silenciei-a , não posso mais leva-la
Preciso parar de olhar-te
 Não são olhos senão uma ilusão
São véus cadentes, esvoaçantes para lá
Da minha criação
Preciso parar de ver-te, porque dói
A promessa de uma aproximação
Que me faz amar até a dor
Apenas, pára, por favor...
Preciso mas como se faz?
Como se trilha o caminho de paz
Se é da guerra que a incandescência
Me traz ?
Preciso parar de acreditar
Na mentira que quis 
Ao mundo inteiro declarar.
Nunca será nada
Cala-te
E entrega a esperança
Á página voltada
Schhh..
Estou....Cansada.

Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário