terça-feira, 17 de setembro de 2013

Alas



O lençol e a pele amarrotada
A brancura manchada
Na forma nívea antes delicada
É cama e mulher
Desejo ou impulso
Desmoronada uma Torrre de Babel
É corpo e homem
Arestas cortantes e folha de papel ?
E nada será? Sequer.

A roupa despida, largada no chão
O rasgo e carne aberta
Devorada de Tensão...
É beijo encardido
Que só as sombras lembrarão
O gemido intrépido
Marcas e Brasas
Geografia da nossa condição
É suor desmanchado
Gotículas e Êxtase
Flancos Nascidos
Da imensidão
  
E o espasmo é alma?
E o corpo portal da sua calma?

É doença? Infecção e Crença?

É língua mordida falada em sangue viva?

É o quê? 

A noite e a mulher... e o dia, Homem !
Que nela quer morrer.



Sarah Moustafa 

Sem comentários:

Enviar um comentário