quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Soube desde o inicio, o fim.



Soube desde o inicio que isto seria demasiado
Duas sombras deitadas no mesmo lado
Duas pombas em sangue de voo rasgado
Destinos cruzados no inferno do mesmo fado.

Soube desde o fim, a linha costurada no tecido danificado
As manchas coloridas no quarto e o pecado
As violetas murchas, florescidas nas pupilas de um amor inventado.
Estás cansado e o coma vive-te neste espaço distanciado
Estou farta da eterna queda livre do espírito desencontrado.


Vou-me embora porque não sei ficar onde não me vens encontrar.


Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário