domingo, 9 de outubro de 2016

As partes do todo





Por hoje desejei cessar fogo, baixar todas as armas
Abraçar tréguas e voltar a iluminar-te
Acendeu-se a chama carente , derrete vulnerável
Enlaça-nos ás raízes profundas do que sente
É aceitável amar-te
Existe apenas o fascínio de olhar-te por horas
Ele nunca mente 
O sorriso rasgado (êxtase ) achar-te tão louco
E que importa quanto tempo demoras?
Quantas mágoas choram, Quantas feridas sangram
Ao pé de nós , são tão pouco...

Hoje os cacos , foram além do impossível , juntaram-se .
A vontade tudo supera !
Estilhaços , sanaram a vasta dor, espelharam-se .
E o que criámos, impera !

Por hoje ainda dormes no meu colo,
Não há defesa que nos valha
Veneno que nos afaste
O poder do que guardamos dentro do peito
Vocifera !
Deitem fora toda a tralha 
Repousas tão seguro, intoxico-me na tua paz
Despimos armadura
Hoje não importa o que um diz e o outro faz.

Só a verdade do todo que somos perdura.









Sarah Moustafa


Sem comentários:

Enviar um comentário