quinta-feira, 4 de julho de 2013

Só o Tudo




Não faças nada
Se não fizeres tudo ...
E a voz calada
Que fale para me dizer o mundo!

Não faças promessa de um futuro
Se do passado não derrubas o muro
E o presente de luz obscuro
Que seja a sombra de uma vivência que procuro !

Não me dêem certezas
Cuspidas de incertas surpresas...
Quero-as repentinas
Flamejantes de um fósforo acesas !
Que me queimem a pele
De dor lancinante e me levem as tristezas...

Não me vistam as delicadezas
Não me beijem a beleza
Mordam me a alma !
De paixão em ímpeto
Sem calma!
Jorrada na Fortaleza

E não me façam nada
Que não seja toda
A utopia levantada!
E não me digam nada
Miseras palavras
Sem magia alcançada...
Não me declarem que ela não existe
Se o sangue a pulsa...

E o coração interminável resiste!


Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário