terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Selecções




Lágrimas silenciosas conferem costuras dolorosas ao tormento.
Somos as escolhas que fazemos ou precisamente aquelas que não cometemos, as que mais tememos?
As sombras do medo que nos rodeiam, em abraços e beijos, por vezes, interruptos que a mente e a emoção permeiam, são de nenhuma relevância?
Redução impropria a de se pensar ao óbvio, ao aparente, á acção que não percebemos, porque só a vemos a ela.
Somos precisamente o transbordo de informação, revelação, compreensão, inerentes as essas decisões que catalogamos, com uma facilidade dolorosa, aos demais, como sendo incompreensíveis, ilógicas.
O que é a lógica? A tua lógica e a minha lógica, são matrizes do mesmo produto?
Os meus medos são os teus?
As minhas sombras são tão negras como as tuas?
A tua emoção electriza-se á voltagem da minha?
O Coração revestido de Julgamento , de processo mental, que nessa mesma localização, nada acrescenta  é verdadeiro ao que sente? Ou ao que pensa?
E se pensa, deveras, anda ainda mais perdido no ambulatório da confusão e da descrença do que o outro que escolhe de forma diferente ao esperado.
Que quebra o gelo em que anda, que cai, mas nunca sozinho.

Sarah Moustafa

1 comentário:

  1. "Somos as escolhas que fazemos ou precisamente aquelas que não cometemos, as que mais tememos?"
    Ambas, diria eu. Medos diferentes, mas iguais, todos os nossos!

    ResponderEliminar