quarta-feira, 25 de julho de 2012

Carneiros- Diamantes em Bruto




Quando olho vejo mais do que é visível a olho nu, não me contento com menos.. não agora que finalmente vejo com clareza aquilo que passa fusco aos olhos de outros.
No coração de pedra eu vejo um rochedo que criou as maiores muralhas para proteger um bem valioso, escondido nos recônditos de uma das suas grutas.
Qualquer tentativa de aproximação da sua entrada é fortemente barrada pois os testes de confiança nunca são suficientes para revelar se somos merecedores do seu precioso bem.
Onde outros vêm uma aspereza e arrogância sem fim eu vejo um sistema de defesa fantasticamente criado para prevenir a fraqueza que um coração desprotegido sofre.
Nas lutas e rivalidades eu vejo uma sensibilidade castrada com a necessidade de afirmação num mundo por explorar.
Nas palavras amargas eu vejo a emoção bloqueada e na impaciência...essa adorável impaciência eu vejo um guerreiro que nascendo num ambiente hostil assim  se formou.
Mas sobretudo eu vejo a LUZ que cativa fulgente nos sorrisos, nas brincadeiras na espontaneidade e veracidade que te compõe.
Eu vejo o que guardas nessa mesma gruta. 
O Diamante. A pedra preciosa embrutecida nas vicissitudes da sua criação. A pedra filosofal genuína.
O Diamante que tanto temes mostrar é precisamente o motivo de te amar.

Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário