sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

De carne e osso




Tu deixaste-me ir.
E nunca mais olhaste para trás.
Não tens o direito,
Não levantes o dedo
Porque queres uma oportunidade,
e é inadmissivel não te a dar.
Lamento, se não é tudo sobre ti,
Mas.
Tu fizeste isto,
Eu esperei por ti todos os dias.
Anda sim, chega o dia, 
E a espera nunca acaba....
A  noite é tão longa ,
E a fonte secou os milagres.
Consigo sentir-te a despir outro corpo,
A procura da minha pele.
A procura do mistério de mim.
Mas eu não sou um ideal , ou fantasia.
Sou uma mulher como qualquer outra.
Carne cheia de cicatrizes, ossos enfraquecidos
Não me procures mais nesses lençóis.
Porque tu não fazes ideia do que estas a procura,
sempre foste um homem mais que (im)perfeito,
sempre gostei de ti, por seres mesmo assim.
Enquanto não me vires.
Não batas mais a porta.
Não fazes mesmo ideia de quem sou.


Talvez seja por isso que esta história não tem fim.


Sarah Moustafa


Sem comentários:

Enviar um comentário