quarta-feira, 5 de junho de 2013

Transe ( It hurts so good)





Um fanatismo de vampirismo.
Um fanático que não morde.
Que não crava os dentes e rasga a pele.
Beija-a.
Beija-a, continuamente a cada mordida que lhe dá.
Lenta e sedutoramente...
Uma e outra vez.
Segundo após segundo exacto do mesmo minuto.
Sempre lenta e sedutoramente...
Esvazia-a de si.
Adormece o sono da vida mais eléctrica que propulsiona.
No sangue que escorre...quente.
Laivos de rubi pelo corpo manchado sem o ver...
Mas sabe.
Tão bem...
Faz tanto mal...
Arde-me a ferida com seu sal!
Como pode algo tão escabroso ser tão delicioso?
Uma vitima de sadismo.
Vitimada do que é culpada.
Que não o procura mas o pede!
Apelo á noite que ninguém quer.
Que a ninguém deseja mas....
 Como nela o seu desejo troveja!
Nuca desnuda...
Convite da Lua...
Pele pálida, sombra de prata, em si nua.
Lenta...
Veias abertas de vida tresloucada...
Sedutoramente...
Corpo inerte de morte procurada.


Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário