terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Quantas vezes tenho que (me) dizer ?




Vá lá.
Pára.
És melhor do que isto.
és tão melhor do que julgas.
Porque te limitas?
Porque te criticas?
Porque és severa com o que devias ser branda e vice versa?
Chega de ter medo.
Chega de não viver
Chega de tudo o que ainda dói e não devia doer.
Apenas Chega.
Repete estas palavras todos os dias, repete-as exaustivamente, até que deixem de fazer parte de ti mas tu delas.
Sê tu o pai, o chefe, a autoridade de ti mesmo.
Agarra nesse ceptro , senta-te no trono do teu poder pessoal e apenas IMPERA.
E depois se o passado te foi cruel?
E depois se não tiveste nada daquilo que achas que deverias ter tido?
Sim e depois?
Mais cruel é o que escolhes fazer contigo todos os dias.
O passado é história que te condiciona porque assim o permites.
Porque é mais fácil e perversamente confortável, continuares deitada em todo o lodo da tua memória.
É mais fácil ser vitima.
Ser mártir do tempo e circunstância.
Já passou. Passado. Finito.
Chega. Acorda. Desperta.
Olha o que te rodeia.
Perdoa,
Muda tudo aquilo que podes mudar.
Que é só TUDO.
Tudo mesmo o que quiseres.
Sai da estação e entra-me no raio do comboio!
Deixa que ele te leve onde é suposto ires.
Não importa se não sabes para onde, apenas entra e logo vais descobrir.
Se te escrevo isto é para que te leias.
Repara que nada do que digo está ausente de ti.
Tu sabes.
Tu sabes que chega.
És tu e o teu inconsciente que se procuram em tanto desencontro,
Há uma ultima oportunidade nas infinitas possibilidades.
Chega.
Levanta-te e descobre tudo por ti.


E por MIM.










Sarah Moustafa





1 comentário: