domingo, 7 de dezembro de 2014

Essa filha da ...


Dou semanas ao mundo que nos levou.
Dou-nos a promessa falhada de um encontro á mesma hora, naquela estrada.
Dou tudo que cabe dentro deste grande nada.
As horas avançam no relógio estragado.
Ainda funcionam, malditas... até essas fugiram do nosso lado.
Rego raízes mas a planta nunca desabrochou.
Das mãos ainda nascem as mesmas emoções, só aqui o tempo não chega.
Só aqui mesmo acredito que não estou cega.
Aqui , verdadeiramente, sei que estamos seguros,
Aqui a trama só a mim me cabe.
Quedam-se todos os muros.
Aqui nada acabou.
Aqui a ilusão também me amou.

Ainda dou semanas ao mundo que nos magoou.


Masoquismo é a velha forma de amar, esse filha da ... , que não nos quer largar.









Sarah Moustafa

1 comentário: