quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Estranho.


Estranhas são as sensações de um mundo tão perpétuamente novo naquilo que o torna velho.
Estranhas são as intenções do corpo tão concretamente materializado na realidade que não o compõe.
Estranhos são os culminos de um vulcão que adorme a erupção da sua intensidade.
Estranhas são estas palavras que se escrevem como se se podessem ler.

Não podem a textura estranha embebida nos átrios comuns, perceber.
Não a podem sequer, ver.




                   
                 





 Sarah Moustafa

Sem comentários:

Enviar um comentário