segunda-feira, 24 de setembro de 2012

A pétala




No expoente da magnitude a pétala cai.
Desmembra-se do seu todo, abandona as irmãs e prossegue ondeante no percurso, que o impulso do destino sentenciou como sua demanda.
A pétala esvoaça apavorada pois a sua delicadeza não entra em conformidade com a aspereza daquela  acção, como iria saber o que fazer sozinha?
Se quando brotou do núcleo, a sua mãe ordenou uma eternidade juntas e as cuidou de tal forma, como iria ela sobreviver?
Na sua queda, o decesso acompanhou-a em toda a extensão do pensamento.
Sabia que era demasiado frágil para conseguir suportar as mazelas que o embate lhe iria causar e como tal forçou-se a aceitar o seu fado.
Pesou-lhe a ideia de não ter clarificado junto das irmãs o quanto as amava, de não ter abraçado a mãe uma ultima vez.
Recordou a imagem das cristalinas gotas que a abençoavam todas as manhãs e sorriu concentrando-se na frescura da lembrança, queria agarrar-se a essa imagem e a essa sensação para que a ultima coisa que visse, lhe trouxesse um conforto á inevitabilidade cruel a que fora sujeita.
A pétala embateu por fim numa rochosa encosta junto ao mar e os salpicos frescos e salinos baptizaram-na no seu retorno á origem.
A pétala cessou a sua função e aceitou, ainda que aterrorizada, que aquela era a sua hora e por isso ,apenas posso imaginar um imenso feliz retorno, para onde quer que seja que ela tenha ido...
A pétala caiu. Era ainda bela e cheia de vida, vigorosa na sua frescura, encantava os seus súbitos todas as manhas quando mostrava o seu magnifico brilho, o seu orvalho resplandecente.
A pétala caiu e a rosa chora a sua partida.
A rosa chora dia e noite, triste e melancólica assistindo inerte e vazia á queda das suas preciosidades e talvez por isso, seja a Rosa a ultima a partir..

Sarah Moustafa



2 comentários:

  1. All for the Greater Good and Supreme Harmony of the Universe... Does a raindrop gets sad when it leaves the ocean or the cloud where it belongs, just before blessing the land with its Being?

    ResponderEliminar
  2. How could we know? That's the point besides it's basically an anology of death!

    ResponderEliminar