domingo, 3 de agosto de 2014

O conteudo que nao sabe da sua forma





O lugar do mundo onde pertences é aquele que te convence a ficar ou aquele que te dá toda a mobilidade de partir?
Deixei de saber onde começa a casa e termina o lar.
Se existe uma mobilização fixa da mesma ou se esta pode ser alicerçada no material que só esse mesmo mundo me fornece.
A divisão de ideias em relação ao assunto advém provavelmente da mesma dicotomia que me encarna.
Dai talvez me nasçam as palavras para me soprar conforto a imagem de um abrigo que lentamente se desenvolve no espaço onde só sei Ser completamente honesta.
No entanto nem elas me acalmam a necessidade da materialização.
Da forma solida no mais aéreo conteúdo.
Até o desassossego precisa do seus casos fugazes com a calma.
Até  o mais livre pássaro precisa do ramo onde pousar.
Mas qual e árvore que devo procurar ?

A que nasce de mim, se pare em letras  e ainda não tive coragem de plantar.







Sarah Moustafa



1 comentário:

  1. Creio, que sempre que se tem dúvidas, deve-se consultar a voz silenciosa do coração. Certamente encontrará a melhor resposta.
    Beijos, Élys.

    ResponderEliminar