quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Lilith






Deliro, curvas sinuosas, mais tropeções !
As nódoas negras são de luxo, silêncio e cetim
O sismo , aviso prévio do que estremece dentro de mim
Afinal qual a função de um vulcão, sem as suas erupções ?
A inocência sempre temeu o dia,
 que tamanhos desastres naturais se abatessem
Mas este mundo não é de inocentes !
Gravita sempre á volta do mesmo principio
O desejo primordial, contacto com a paixão primária
Revolta e Insurgência !
Instinto básico que nos faz perseguir ,
Obsessivamente o que queremos .
Ainda que tantas , demasiadas, vezes contrária ao que precisamos,
Paga-se caro!
Mas no submundo o ouro nunca acaba ...

Porque não pode o animal correr livre com o humano ?

E a Besta forçar o despertar da Bela ?

Dizem,

E se o capuchinho ficasse amiga do lobo?

Seria ele ainda a ameaça  e ela a vitima ?


Deixa-me escrever um pouco mais sobre este 8 pecado capital.

Sim, deliro, 

Apetece-me cometer um crime .


Eu não deixo rasto de sangue.


Já me viste cair?


Da próxima vez , tenta um golpe mais certeiro .


Ainda não sabes onde bater .

 Suponho que quando queres um trabalho feito tens de fazê-lo tu mesmo.


Sorte grande ,  azar o teu .


A Lilith quer sair.









Sarah Moustafa 

Sem comentários:

Enviar um comentário