sábado, 17 de janeiro de 2015

Deixa-me dormir





E se eu não quiser acordar?
E se eu quiser permanecer neste mundo , que sendo meu , é o perfeito?
O mundo que não me exige a humanidade á sua imagem, a pessoa que não consigo ser.
E se eu quiser resignar-me á surrealidade, mais real em que alguma vez estive?
E se quiser continuar a beijar-te, mesmo sem lábios, se vibro com o gosto da tua boca , como nunca antes vibrei?
E se quiser continuar ausente de um presente suposto e quiser viver neste paralelismo, que me faz mais feliz, do que qualquer outro tempo em que já vivi?
E se quiser continuar adormecida, se assim me sinto mais desperta , do que em qualquer manhã que o fiz?
E se não quiser ser o propósito que não reconheço, mas o de um universo silencioso que grita mais alto do que qualquer outro som que já ouvi?

E se quiser simplesmente , por uma vez, querer-me?










Sarah Moustafa

1 comentário:

  1. Uma bela construção Sarah nestas condições que revela o querer e o ser.
    Gostei.
    Belo trabalho com aplausos.
    Abraços.

    ResponderEliminar