sexta-feira, 23 de maio de 2014

Os imprevistos


O cabelo teimoso fora do sítio.
A rebeldia que constantemente afirma, pelos seus meios, mais ou menos engraçados, a nossa impotência perante o controle absoluto das circunstâncias que queremos ,por tudo, ter.

O acidente na estrada que não conseguimos antever.

A dor da compreensão mortal e inútil dos seus limites. 
A ascensão de uma revoltosa culpa.
O destino.
O Karma. 
Os deuses e a sua perversidade, qualquer coisa serve.
Menos a aceitação.
O imprevisto, o salto que quebra, a meia que se rasga, a moeda que cai ou o papel que voa.
A tinta que se derrama.
O sangue que desce antes do tempo, como se o tempo dependesse da hora que julgamos certa.
A imprevisibilidade é desagradável porque somos constantemente prepotentes na forma que tentamos ignora la.
Então ela brinca conosco, umas vezes mais a sério que outras, mas sempre acentuando a chatice da sua presença.
Sem uma forma ou vulto que lhe pertença... Seria fazer batota e qual seria a piada disso? 
Sai de casa com o guarda chuva e nao choveu... Fantástico.
Sai de casa novamente, sem ele, e advinhem o que aconteceu ?
Pois.

A filha da mãe tem sentido de humor. 

Não tem ? 

                        

                    




Sarah Moustafa  

Sem comentários:

Enviar um comentário