segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Arritmias #30




Tens tantos truques na manga, coelhos que saltam da cartola
Tão eficiente na eloquência das tuas mentiras !
Achas que fui um par á altura do teu jogo ?
É que eu sou detentora de uma única artimanha .


Já ouviste falar de magia?







Sarah Moustafa 

domingo, 30 de outubro de 2016

Reabilitação





O que está por trás da cortina ?
Um corpo cheio de marcas tuas.
Sugaste vida, o desejo não se regenera !
Ele não responde a mais ninguém...
Esfrego estas manchas absurdas
Tatuagens de uma alma permanentemente nua
Filho da mãe
Destilam paixão , o pulso ainda acelera.
A pele queima , alta voltagem
A tua presença deixou de ser bem vinda !
Desintoxico , descobri um pequeno espaço livre
You missed a spot
Esqueceste -te de um detalhe
Sempre gostaste de me despir devagar
E eu de brincar com semi transparências
Há sempre uma camada mais profunda que penetrar.
Obrigado por não teres mergulhado de cabeça.

Ainda há esperança de uma cama que não fique eternamente vazia.



Menos para ti.






Sarah Moustafa

sábado, 29 de outubro de 2016

Arritmias #29




Semeamos ventos, colhemos tempestades
Duas forças antagónicas, á procura de um único sinónimo !

Mas...

Quando a fome se junta com a vontade de comer ...






Sarah Moustafa

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Fases da Lua #2




Ás vezes, esqueço-me, volta tudo ao que é simplesmente natural
Cedo, mando mensagem .
Quebras, deixas a porta entreaberta .
Somos levados pela mesma corrente energética .
Que fronteira é esta que dissolve barreiras entre o que é sonho e o que é real ?

Toca o despertador cósmico e eu continuo sem saber que horas são.

Que raio de horas são ?







Sarah Moustafa

O pássaro que escolheu a gaiola.


Consigo sentir o teu peito a comprimir-se num sufoco de responsabilidades que não te libertam.
Consigo ver-te a encolher á medida que a máscara cada vez mais entranhada, se apodera.
Avisei-te sobre Saturno e as repercussões de casa decisão, ainda não aceitas que existem forças maiores que tu.
Agora circulamos em loop nos anéis mágicos do seu tempo, estreitam-se cada vez mais apertados
Porque é que faço parte desta lição?
Dói ver-te completamente restrito a essa camisa de forças, prisioneiro de uma paixão de espírito que fica sempre alcançar.
Tu cortas-te as tuas próprias asas.
Tanto potencial desperdiçado !
Talvez eu devesse... trazer-te á vida , boca a boca e voltasses a respirar !

Talvez eu pudesse tanto

Mas... cada acção cria uma reacção. 

E

Tu fizeste a cama onde te estás a deitar.








Sarah Moustafa

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Ups #11





Porque sei que aprecias a minha sopa de letras 

....





Y
O
U

.



Sarah Moustafa

Á la Carte




Verdade ou Consequência ?
Os caminhos separam-se mas o destino é o mesmo.
Porque nunca escolhemos a verdade ?
Porque achamos sempre que quanto mais alto o preço mais capazes nos tornamos.
De deter um poder superior como se percebêssemos algo do assunto.
Os homens querem ser Deuses , Deuses querem ser homens
Estão todos só a brincar ...
Infligimos uma ferida profunda , Sangra eternamente !
A conta é avultada.
O Karma aprisiona -nos , mais uma vez !
Nunca aprendemos nada.

Lanço a moeda o ar , última tentativa.


Podes, por favor , despertar ?



Expande essa consciência !


Pela derradeira vez...


Verdade ou Consequência ?









Sarah Moustafa 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

GPS



Sigo feroz na batalha contra o tempo
Resisto á ideia de uma mudança
Desafio leis universais !

Suspendi a acção
Corro desenfreada 
Estradas sinuosas,
Chão de tantas almas penadas
Menos acontece, Mais eu tento !
Abrem - se fendas, Abatem -se temporais
Sei que abusamos da sorte...

Grito o teu nome
Célere para que lado me viro
Onde raio estão as coordenadas?
A tua voz troveja
Traça o mapa da nossa história
E vem !

Corre, corre para mim ...



A sentença firma-se no dia do juízo final .



segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Arritmias #28



Sempre foi fácil juntar palavras , difícil calcular números.

Mas...

Se eu te entregar a solução , prometes que resolves a equação ?





Sarah Moustafa 

domingo, 23 de outubro de 2016

Arritmias #27





Todas as manhãs eclode a promessa de encontrar o caminho da minha liberdade

Todas as noites destroem -me o sonho , regam ácido , expandem a ferida, sangra saudade.

Mas ...

Ainda assim até ao entardecer , sou sobre humana, e declaro amor por toda a parte.




Sarah Moustafa 

sábado, 22 de outubro de 2016

Feliz Aniversário




Estamos ligados por uma linguagem que só o universo entende
Ele espelhou -nos por símbolos , desde o inicio, desde o dia que nos conhecemos.
Ainda te lembras como foi?
Tão adormecidos á inteligência desta teia cósmica que quer levar nos tão longe quanto ao firmamento
Entre olhamos mapas a impressão de cada alma, onde verdadeiramente pertencemos.
Não somos deste mundo, e por isso perdemos.
Quebramos um pacto sagrado,  porque ainda me seguras como bússola na tua mão?
Cegou o ponteiro , agoniza o sentido.
Sou a chave mas a porta não abre.
Tu estás de um outro lado, numa outra vida , ela sempre continua .
Acendo-te uma vela , apesar de tudo , não existe mais nada ,que se não, algo puro que quero aqui deixar.


Espero que descubras tudo aquilo que ainda não soubeste encontrar, a tua fé é a força que faz cada manhã começar. O sol brilha volta sempre ao seu lugar .

Espero que  um dia deixes alguém abraçar-te nos recônditos das tuas feridas mais profundas, que não as temas mais , abras o peito em rasgo de coragem e acredites que sim , apesar delas,  és completamente amado .

Espero que o teu sorriso, capaz de qualquer pessoa motivar, te abra o caminho para a infinitude de possibilidades que existem sempre por explorar. Qualquer canto pode ser um parque de diversões e como tu gostas de brincar...

Espero que continues sempre a fazer questão de ousar a rebeldia, virar mesas, contestatário, arrogante a tua centelha é única, fazes parte de tudo o que neste mundo é marcadamente diferente. Sempre que te assombrarem dúvidas, olha-te ao espelho . Lembra-te o que vieste aqui fazer.

E por último...

Espero que o fogo que tanto te abala e queima sejam labaredas de memórias onde a noite te ocultou, mas tu acabaste sempre por renascer.
Uma e outra vez.
Não importa quando extenuado te julgues , me faças crer ...
Eu provei da tua chama, ela é divina.

Vai sempre trazer-te a mundo maior .
Gigante, limite nem até as estrelas !
Só queremos crescer ...



Fecho os olhos, voltámos ao principio.
Saímos daquela aula e agitação da tua grandiosa curiosidade, pára-me.

" Como te chamas mesmo ?  "



Feliz aniversário .






Sarah Moustafa



sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Arritmias #26




Capturas-me na obscuridade dos teus estratagemas

Não existem meios que não justifiquem os fins...


Mas ...

Não te esqueças que me criaste á tua imagem. 

E só eu sei quem realmente és .






Sarah Moustafa

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Arritmias #25



A música pára , o disco está riscado

Mas...

Coordenamos passos perfeitos na infinitude deste vácuo . 

A dança continua .




Sarah Moustafa 

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

A última badalada



Sentes a pressão do tempo
Tic, Tac, Tic, Tac,
Corres, precisas de espaço
Quanto mais tentas respirar mais de falta a presença deste ar
Este , demasiado especifico ...
Que só se encontra nos recônditos espaços de quem se permite entregar
Não sabes porque lado ceder, cobarde
O teu orgulho são lâminas que nos separam sem nunca mais se poderem devolver .
Saber amar ?  Quem sabe ?
Só te queria encontrar a meio caminho e olhar te na profundidade do teu semblante nervoso
E garantir-te sem mover os meus lábios que está tudo bem, venhas como vieres
Sejas quem fores .
Que braço achas que precisas torcer?
Acabou, desisto, deito fora todas estas armas inúteis.
Como assim não sabes o que me dizer ?
Sou eu.
Tic, Tac, Tic, Tac
Ainda há tempo enquanto ainda é tempo.

Ainda estou na ponte á tua espera,
Não te atrases, Não demores .



Vais -me perder .





Sarah Moustafa 


terça-feira, 18 de outubro de 2016

Arritmias #24








Estava enganada, nada disto foi real...

Mas então...

 Porque me tiraste a venda e continuo a sonhar acordada ?





Sarah Moustafa 

Peito Aberto



Batem asas e ascende uma nova visão 

Luz perpétua incinerada dentro da escuridão 

Espuma dos dias claros

Abraçadas á noite de silêncio, oceano e rebentação 

Ondas imensas rendidas á sua natureza

A beleza da transformação 

Pousa o pássaro no ramo que se quebra

Caem as folhas avermelhadas nas raízes da sua estação 

Sobe o sangue rubro no corpo pálido sem circulação 

Abrem se os olhos extasiados na forma curva de mel e interrogação 

Apartam se as nuvens derretidas no céu expandem-se púrpura sobre as minhas mãos 

As melenas encaracoladas fundem se na terra 

Conhecem se na perfeição

Há uma dor que se acalma no peito aberto

Absorvendo todas as partículas do que se recicla

Sem nunca nada ter de terminar

Há uma dor que ainda existe

Que se descobre na aceitação 

Por todas as câmaras secretas que bombeiam no coração.



Dói menos quando amas a tua dor.







Sarah Moustafa 

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Arritmias #23





Prendes-me a uma realidade que para mim está ao contrário.

Mas...

É nesse lugar onde mundos colidem que começa uma revolução.









Sarah Moustafa 

Efeito Borboleta

Apanhei-o a olhar para mim e demorei uns segundos, mais que o esperado , a desviar aqueles olhos dos meus.
Algo controlou a incontrolável vontade de fugir do lugar que sabia estares a vasculhar.
Demorei a entender que esse algo fui eu mesma, a despertar para a curiosidade da tua vontade.
Quererem me pelo que escolho mostrar é natural.
O que não é, é desejarem- me pelo oposto do que escolho transparecer.
Daquele momento em diante o enigma foi me infiel, passou para o teu lado.
E as dúvidas ... encontraram um refúgio nas tuas certezas.

Não olhei só para ela, via-a.
Penetrei-a.
Invadia-a.
Todo o halo da sua imagem transbordada a um suspenso momento, ascendia deliciosa ao desbravar de uma intriga, tão nua e crua  que me paralisou na visão de uma mulher estranha,  familiar... magnética 
Havia um brilho intenso, tão tímido como poderoso, escondido na capa da noite de que se cobria para a disfarçar.
Mas estava lá e mais do que querer beber daquela luz , quis , sei la porquê, dar lhe a ela o gosto de si mesma.
Puxei ousadamente a linha primordial do seu novelo. 
Sei que me apanhou e que a perturbei.
Confesso...Deu-me um gozo do caraças.

Tentei o meu melhor para me resguardar e acabei por ser um livro aberto.
Desfolhou-me indecifráveis páginas e leu tudo aquilo que nunca consegui
O pior é que leu tudo, palavra por palavra, em voz alta .
É tramado ouvir aquilo que não sabemos que queremos ouvir.
Atormenta me.
Devasta-me e preenche-me de uma calma confessadamente intempestiva.
O sismo da tua fome abriu  fendas de um apetite adormecido.
Esquecido nas tatuagens de histórias desvanecidas na pele.
Prometi que só voltaria a entrar na teia destes domínios perigosos da paixão , quando os joelhos tremessem, as mãos suassem, o corpo se contorcesse de desejo e a mente ... essa totalmente se desestruturasse a uma nova consciência, a um desafio de limites tão grande que me tirasse aquilo que mais tenho, as palavras.
Pois.
Agora sim, faz sentido aquele " Cuidado com o que desejas."
Não consigo fugir porque pela primeira vez, observo a figura fascinante de um ponto de interrogação maior que o meu.


Algo me cola ao irresistível ímpeto de a querer fazer pensar...
Eu não paro muito para o fazer.
Só sei que e dizendo tudo ...


Ela dá me vontade de voltar a escrever.









Sarah Moustafa 

domingo, 16 de outubro de 2016

Arritmias #22





A tua última memória ficou presa ao átrio de um aeroporto...

Era só uma curta despedida então porque se tornou na mais longa viagem da história?


Fui eu que parti mas... tu  é que foste embora.









Sarah Moustafa








sábado, 15 de outubro de 2016

Tantos meios, mas que fim ?





O teu silêncio preocupa -me .
Sei que quando ficas assim estás a tramar alguma.
Não sei se aguento mais as súbitas aparições , quando me afasto para parte incerta.
Não é justo.
Não dizes nada mas deixas um grito vibrante por toda a parte.
Se sou apenas uma miragem no deserto , um distúrbio de um sonho ou ilusão,
porquê  trazer-me para mais perto... então  ?
Não te oiço há dois dias.
Não sei se me alivia ... se me comprime de parte a parte, assustada ...
Não sei se agradeça, se durma , se chore ou brinde.
Não enquanto não me for entregue um corpo para que te enterre.
Ou me deixem ver a maldita certidão de óbito com o teu nome !
E assim sossegue ...
Os teu olhos brilham no escuro mas... passaram 48 horas sem os ver.

Estou perdida.



Assume o que andas a fazer.





Sarah Moustafa 

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Fases da Lua



O Sol caiu com o maior sorriso e lata e fundiu-se com a Lua.
Preencheu-a de vida e infinitas possibilidades !
E elas nas suas fases de prata , abriu-lhe um espaço encantado , a que chamaram de casa.
Somos criaturas de Vénus.... mas não encontramos saída de Plutão.
Diz-me quantas vezes também nos contas nas estrelas  ?


Quantas mais faltam para nos levar de volta a magia desta constelação?








quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Silver Lining




Cada poema é uma nova forma que descubro como dizer adeus
Não existem palavras próximas o suficiente para descrever o que tal desperta em mim.
Redescobrir o grande amor da minha vida , escrever, escrever, escrever, ainda que á custa do teu...
Sentir ânimo, vontade e desejo !
Transmutar toda esta dor , acelerar passo adentro desta câmara ardente .
Voltar á vida e gritar sim !
Ainda bem que exististe, ainda bem que permiti que entrasses no espaço da mais brilhante verdade, do que sou e ainda posso ( sempre) ser.
Nem sempre é assim tão linear, muito dias sou persona non grata , não entendo o papel que de certa forma te foi dado.
Uns dias só penso em novas formas de te aniquilar, outras vejo-te por ângulos onde é impossível não te amar.
Deixam de existir crenças plausíveis ou aceitáveis, quando não é uma coisa nem outra.
São ambas!
Existem coisas que de facto podemos deixar ir e desapegar... outras lamento, mas não .
E esse pedaço de alma a que me trouxeste está apenas á procura do devido lugar.
Cada poema é também uma nova forma que descubro como me aceitar.
Desculpa se durante algum tempo ainda seja a sombra que queira aqui pairar.
Estive tanto tempo parada, agora ela quer se libertar....

Eu sei que precisas tanto como eu deste perdão.


Chegamos oficialmente a meio da viagem, ainda não se vê... mas sente-se a luz ao fundo do túnel.












                                                                  Sarah Moustafa

Arritmias #21







Aninho-me , silenciosa, na força destas palavras


...


Sei que o teu amor, são páginas de um livro.







Sarah Moustafa 

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Demente


Já te disse?
Quantas vezes olho para a parede ?
Derrama cores que inventamos ,e
Esboços que nunca acabamos
Quase já não alberga espaço para mais nada ...
Mas com perícia tudo se resolve
E tanto ainda se cria
Num tímido traço ...

Já te disse?
Quantas vezes me volto na cama
Em desatino procura-te o corpo
Geme melindrada, , contorna o lençol revolto
Cai, suspira entusiasmada´
Tu ainda estás aqui, não se passou nada .

O gato acha que estou a ficar doida
Todos os dias mostro-lhe o teu rosto
Cresces nos truques das minhas mãos
Para quê tanta preocupação?
Um dia ele vem conhecer-te , tento-lhe dizer.
Ele mia "soma e segue"
Como explicar quanto mais adiciono
Mais razões tenho para não o fazer.

Tu é que transportas veneno e eu é que fiquei doente .




Já te disse que gosto de ti  ?







Sarah Moustafa


terça-feira, 11 de outubro de 2016

Recobro



O vazio instala-se.
Uma completa invasão de absolutamente nada.
Regride-me ao passado e ás muralhas erguidas
Ao momento em que o revés, voltou-nos ao contrário
Desafiou promessas, uma a uma, todas destruídas
Quanto tempo permaneceste petrificada?
Tens a resposta mas ela...
É demasiado dúbia e por isso ... Cala-se.

Mata-me, sempre mais um pouco
As dúvidas irrompem
Deflagram cruéis de espada em riste !
Precisam de sangue fresco
E que nesta lâmina que a carne nos rasgou
Jorre vida em sangue e nunca mais se separem !
Aperta o espartilho , rouba-me a verdade
Leva-me mais fundo
Para dentro do poço.

Quantas noites segredam a nossa história
Cara ou coroa
De que lado te perco ?
De que lado firmo vitória ?
Carrega o meu peso, alarga as minhas palavras
Alcança-as para onde não consigo
Guardei-as no regaço incandescente da fénix
Ela ergue-se e para alto.... em breve voa .

Recebe-a , por favor ... estou tão cansada.




Traz de volta aquilo que eu te dei .







                                                                   Sarah Moustafa






segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Arritmias #20






Trancaste -me a sete chaves algures no coração

Mas...

Esqueceste-te que o lugar mais escuro e intimo é o meu habitat natural .




Achavas mesmo que eu não voltava ?




Sarah Moustafa 

domingo, 9 de outubro de 2016

As partes do todo





Por hoje desejei cessar fogo, baixar todas as armas
Abraçar tréguas e voltar a iluminar-te
Acendeu-se a chama carente , derrete vulnerável
Enlaça-nos ás raízes profundas do que sente
É aceitável amar-te
Existe apenas o fascínio de olhar-te por horas
Ele nunca mente 
O sorriso rasgado (êxtase ) achar-te tão louco
E que importa quanto tempo demoras?
Quantas mágoas choram, Quantas feridas sangram
Ao pé de nós , são tão pouco...

Hoje os cacos , foram além do impossível , juntaram-se .
A vontade tudo supera !
Estilhaços , sanaram a vasta dor, espelharam-se .
E o que criámos, impera !

Por hoje ainda dormes no meu colo,
Não há defesa que nos valha
Veneno que nos afaste
O poder do que guardamos dentro do peito
Vocifera !
Deitem fora toda a tralha 
Repousas tão seguro, intoxico-me na tua paz
Despimos armadura
Hoje não importa o que um diz e o outro faz.

Só a verdade do todo que somos perdura.









Sarah Moustafa


sábado, 8 de outubro de 2016

Bittersweet




São doces as metáforas que surgem liquefeitas , fugidias, num fundo dessa garrafa.
Bebes das minhas palavras, trazem-te o conforto vazio da glória que chega sempre tão atrasada.
Gota a Gota colmatam o destituído gosto de uma boca.
Ardem-te as paredes do estômago , estanca o sangue e sobe -te a cabeça , hum fome desgraçada...
Roda uma e outra vez a consciência do tempo que se perde , e se a tua ausência fizesse sentido , não seria tão amarga.
Vamos tentar  !
 Arde te o paladar de outro trago e insana coragem, agarras no telefone e o meu quase toca...
Páras!
Tropeças novamente no medo .
Rodeiam - te sombras " não sabes o que vês, não confies no que sentes " , o copo já está vazio e rendes-te ao vulto perfeito que dança no tecto.
Rastejas de volta ao que escrevo .
Já é um pouco tarde e nunca demasiado cedo.
Mas...

O Sol tantas vezes se põe ... como tantas vezes nasce.






Sarah Moustafa 

Arritmias #19




Quantas manhãs olhas para ela...


E me dás a mim ,


O nosso...  B o m   D i a a a  ?









Sarah Moustafa 

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Arritmias #18






Eu olho para onde não gostas de ser visto.

Mas...

Foste tu que fizeste questão... de te por a minha frente. 






Sarah Moustafa 

Arritmias #17





Só tu conseguiste traduzir-me em palavras,
Mas ...
 Sou eu que escrevo.





( Já viste... no fim de tudo, damos um bom enredo




Sarah Moustafa 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Garanto



Tu não me garantes nada
Eclodes como a incerteza
Relâmpago, vendaval
Da força destrutiva da natureza
Cai tanta chuva, resseca -me os lábios de sal
Caio electrificada
Porque me fazes tanto mal ?

Tu não me garantes nada
Rodas a chave , mantens me presa
Criminoso, Vilão
Desmascaras-me a beleza,
Caem -me peles , rebenta-me o coração
Asfixio isolada
Que outro pedaço de mim precisas , afinal ?

Tu não me garantes nada
Coroas-me rainha da maior tristeza
Incineras-me o corpo, anuncias o luto
Atiras me sobre a luxuosa mesa
Estremece-nos o mundo, abre-se em absoluto
Fazes questão de gritar que sou bem amada.
Olho-te de volta , uma e outra vez,
Como é que isto aconteceu ?

Estou á mercê do amor garantido ... de um animal .



E é reciproco .





Sarah Moustafa 


quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Quando um atira, outro ataca




Quanto mais longe
Mais próximo te tornas
Como se esperasses pela hora certa
para me despertares para a verdade desleal
Do fantasma da tua companhia
E onde me contas sobre o que era suposto ser
apenas uma leve história
Colorida, passageira ... Banal
Enquanto fosse mera
Chama irrequieta
Acesa mediante a novidade
de um fugaz encanto
Não cresceria proximidade ...

Um caçador no encalço
de uma raposa matreira
Qual deles o mais capaz
De chegar primeiro ?
Cruzar a meta
O salto derradeiro
Saborear por fim
Num sismo de prazer
O reconhecimento e a glória
De vencer e ver a presa sofrer
(Afinal tu sempre gostaste de correr
E eu de me instalar onde sei que fico para sempre,
 no recanto da
Memória )

O poder em mãos
De te poder rasgar toda a vergonha
Trazer-te uma sombra risonha
Beijar-te medo
Empurrar-te para a luz
E desaparecer no rastro de pistas
Que te sussurrei
Deixar-te com o peso da cruz
E agora ?
De que serás feita?
Procura -me.
Descobre-me o segredo.

Trepou-te no âmago
Sorrateira
Abriu-te portões
Incendiou máscaras
Exorcizou demónios
Abriu te um buraco
De tremenda fome
Acordou a besta
Capaz de tudo
Para não se render
A imagem de um fraco
Vulnerável no colo de sabor materno
E se permitir ser  apenas um menino magoado

E agora ?
Enganados no plano traçado
marcados a brasa
Mudaram o que estava destinado.
Estúpidos,
Livre arbítrio , não vos valeu de nada.

O caçador atirou e raposa ripostou.

Dois cadáveres esventrados.

Que para aprenderem uma lição - Sobreviveram .


Quanto mais longe
Mais obcecado te deixo.






Sarah Moustafa 




segunda-feira, 3 de outubro de 2016

May you rest in hell, may I restore the peace.




And from this wound I can't heal ,
YOU live
Rivers of blood, took me down the drain
Of our professed love
Leaving nothing but profound memories
Open graves , restless crows
Looking to deliver the message...
But were only left, with a crime scene
No evidences
But a hand full of doubts

The night comes and with it
So it does your deceased body
Haunting me with such a lively soul
Crawling into my being
Mad , passionately
Rips me apart
Exhilarated to create a deeper hole

How dare you to die far from my arms
And come back closer each day
for another bite, another drop
Another excruciating sigh... grieving the hope
That this time...
The phantom will stay

How dare you to leave
Just to frighten me with the mystery
Of your death
Screw you and your tactics
Your manipulation
Your silent allure
So Seductive ....

Love isn't supposed
to hurt this bad
How come I love you harder
The more pain
You reveal
In each wicked kiss
Just to see me bloom and wither
At the command of your name

Do you feel I'm like fire in your hands
That you either play with
Or get burnt by ?
Fuck your cowardly game
You will not be stronger
Than my everyday attempt
To finally bury you
You'll not keep me
from remaining sane

Believe me


I love you,
I will give you the proper funeral you deserve.



Yes, I am ,undoubtedly,  yours .

But don't forget... 

You are mine as well .






Rest in Peace 





Sarah Moustafa