sábado, 27 de agosto de 2016

The truth professed in a melody





Hit Play

And feel ...

What a simple song

Can make a single soul

Say









I'm looking to escape in the beauty of this melody
Because in it , it lies all that I long for 
All living breathing memories, 
that have nowhere to go ,
and even if they did
They would still choose... 
undoubtedly , 
to stay with me.

The truth is

This song cracks my heart open
In ways my whole body
Has forgotten 
It shakes somethig so deep within
A drowning , stormy scream
An ocean of love, ripples of despair
Consuming my skin

The truth is

It whispers the melancholia of all those dreams
Before the dark night came, 
Ruthless
And tainted it all, with the silence
Of a thousand lustful sins
And yet... I hear it
The little broken girl, awakens
For 4 minutes
She's not hopeless and completely forsaken
The universe holds her
Planet's talk and and the gentle caress of the stars
Touch her with belief
One day....you'll find the motherly love
Kissing and healing away those unfair scars

Erased, they shall all be.


The truth is

Here you still speak with me
Love of my life
There's a place , where everyday 
We can show up for each other
We can simply Be and meet...
Beyond what drove us away
And why... God, why ,divine order
wouldn't allow us, just a little bit more time...
To write down together,,,
The most oddly beautiful story
Of a man who answers the question
Being the doubt
And a woman that questions
Being herself , the answer
Of all that was lost in translation

And for that ...we'll be haunted forever
But here, in this song
Where we light up the world
From where, we used to belong..

The truth is,
It just helps me...
feel it all
And not be afraid to cry .

And I do cry
Just to feel us, one more time.
And I do cry,..
for the rain, to brings us, one more life.

And the light steps in,
Little girl
Little boy
The truth is ...
Damned and blessed, 

We all are.







                                                                 Sarah Moustafa

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Tudo aquilo que nunca me disseste





Desculpa, 
Não conseguir dar-te todas as respostas
Que o teu suave semblante trazia
Meio-disfarçado de um enigma fácil de ser desvendado
Anoiteceu a nossa história , fechamos as portas
E tudo aquilo que quase fomos ,
repousou sobre as poeirentas páginas
De um livro que jamais alguém escreveria
Porque teria de ser escrito no fervor ensanguentado
De quem exige ,nada mais, que a verdade a ferro e fogo
Do que nos dilacera mas dá tanta Vida !
Mas que verdade , te poderia eu dar ?
Confesso, menti-te.
Não consegui imaginar
a visão dos teus olhos de mel assombrados pela incerteza
Do Homem que poderias deixar de admirar
Falhei ao querer entregar-te algo de que nunca fui dono
A certeza irreversível do que nos continuaria a iluminar
A confiança nas possibilidades infinitas que o amanhã traria
Do entusiasmo inocente de cada gargalhada que trocamos
De cada filosofia de que apaixonadamente discordamos
Do amor ao qual nunca demos uma real oportunidade
Um segundo e tudo o que restou foi esta culpa silenciada
Em todo o abandono...
Eu nem sequer te consigo dizer que tentei.
Errei estupidamente ao recusar o que em mim despertava,
Um sismo tremendo preenchido apenas do teu nome
E o quanto vulnerável e dependente isso me deixava...
Eu sei , desculpa.
Tudo isto parecem palavras vãs ao lado do que te doía
Não quis responsabilizar-me por isso
Quis me manter me seguro na ilusão da minha liberdade
Não quis descer do pedestal do ego e diminuir-me
ao tamanho da onda de sentimentos, que de certo
me levaria... ao mundo escuro da nossa profundidade .
Lamento, que tudo o que sobre
Sejam estes pedaços desfeitos num mero papel...
Tantas palavras...
E a falta de coragem de te as entregar nos lábios  ,
onde só por uma vez mais , puder estar, eu morreria...
Desculpa, não ter crescido á imagem fantástica
De ser humano
Que sempre acreditaste que eu poderia ter sido.

Lamento...

Tanto.







Sarah Moustafa